O que acontece com a gestão compartilhada de pessoas e informações? Com a descentralização do RH, primeiro ganha-se em produtividade do RH. Segundo, aprimora-se a relação RH e líderes. O RH passa a atuar mais como consultor do que executor de atividades, cumprindo na essência o seu papel.

Benefícios da descentralização do RH.

A esta altura, ficaram claras as vantagens da descentralização para o Departamento Pessoal. Menos perceptível – porém essencial – é o que a empresa como um todo ganha com esse novo modelo de gestão. Os benefícios são muitos! Acompanhe alguns deles a seguir.

Aproximação entre gestores de áreas e colaboradores.

Por compartilhar responsabilidades com o RH na gestão de pessoas, os gestores de área passam a ter uma comunicação mais intensa com os colaboradores. E não apenas para falar de projetos específicos e produtividade!

Agora, para entender as necessidades, objetivos e dificuldades que cada um enfrenta profissionalmente. Dessa forma, são estabelecidos novos vínculos. As decisões dos gestores passam a levar em conta aspectos humanos, além dos operacionais.

Quais aspectos podem ser abordados nas convenções coletivas de trabalho
Quais aspectos podem ser abordados nas convenções coletivas de trabalho

Menor incidência de erros no controle de hora extra e possíveis passivos.

O gestor de área trabalha muito mais próximo da equipe. Quando ele se responsabiliza pelo controle de ponto e gestão da jornada de trabalho dos colaboradores, a incidência de erros, autorizações indevidas de horas extras e holerites de correção diminuem. Consequentemente, os passivos trabalhistas também se tornam mais raros

Empoderamento para gestores de área.

A descentralização das informações gera diversos impactos positivos nas corporações. Uma delas é o acesso fácil das lideranças aos dados, reduzindo assim a dependência da área de Recursos Humanos.

Ao mesmo tempo, dá autonomia para tomar decisões com base em dados concretos. Ou seja, promove a redução da dependência do departamento de RH através do aumento da autonomia dos gestores de cada área de atuação. De quebra, os profissionais de RH ganham mais tempo para se dedicar a tarefas estratégicas.

Foco em estratégias para a satisfação e produtividade de colaboradores.

Quando os profissionais de RH passam menos tempo administrando trivialidades e cuidando de tarefas burocráticas, podem se dedicar a atividades estratégicas. É o caso do desenho de processos e métricas que aumentem a produtividade e satisfação dos colaboradores… e que fortalecem a cultura da empresa.

Melhor alinhamento entre as diferentes áreas da empresa.

É necessário que as informações circulem com maior velocidade e assertividade. Todos se alinham em relação aos objetivos estratégicos da empresa e também às necessidades profissionais de cada colaborador. Desta forma, é muito mais fácil que todos caminhem para o mesmo sentido, visando metas comuns.

Gestão eficiente do alinhamento entre áreas da empresa
Gestão eficiente do alinhamento entre áreas da empresa

Fortalecimento da cultura da empresa.

A propagação da cultura empresarial é um dos objetivos primordiais da gestão de pessoas. Os gestores de área se responsabilizam por essa tarefa, e o fortalecimento da cultura se torna muito mais efetivo. Próximos aos colaboradores, se tornam exemplos e incentivam atitudes alinhadas à cultura organizacional.

A gestão compartilhada de pessoas é uma ótima opção para empresas em crescimento acelerado, em que o RH passa a se distanciar do dia a dia das equipes. Mas como colocar esse projeto em prática? Continue com a gente e descubra!


Passo a passo da gestão compartilhada

Não existe um modelo de descentralização pronto, que irá funcionar em qualquer organização. É necessário que você entenda a melhor forma de descentralizar o seu Departamento Pessoal de acordo com a realidade da sua empresa.

No entanto, alguns passos são fundamentais para promover a descentralização da gestão de pessoas:

Passo 1: Alinhamento com a Diretoria

Para que ações de mudanças operacionais sejam realizadas, é necessário que a alta gestão esteja ciente e favorável. Por isso, você precisa envolver a Diretoria nessa decisão. Mostre os benefícios que esse modelo trará à organização.

Dica de ouro: descentralização envolve modificar a cultura de uma empresa. Uma boa estratégia é ser transparente e vender a ideia aos poucos.

Sensibilizar gestores e Diretoria da importância de sua participação em questões de DP pode ser uma tarefa complicada… mas necessária para que a implementação seja um sucesso.

Passo 2: Vender a ideia aos poucos para gestores de área

Dificilmente uma decisão imposta irá engajar gestores e equipes. Para que a descentralização ocorra é necessário que, aos poucos, todos percebam seus benefícios.

Caberá, portanto, ao Departamento Pessoal fornecer aos líderes de área as informações necessárias. Somente assim eles reconhecerão as vantagens deste modelo para eles próprios. Mostre aos gestores o ganho de autonomia que a descentralização os trará – bem como os benefícios de ter tantos dados sob seu controle direto.

Passo 3: Treinamento e capacitação dos gestores

Depois de vendida a ideia, é necessário oferecer aos gestores de área o treinamento necessário para que se sintam confiantes. As responsabilidades relacionadas à gestão de pessoas são novas! Esses treinamentos devem incluir aspectos comportamentais, culturais e ferramentais.

Passo 4: Divisão de tarefas e responsabilidades

Para que a gestão compartilhada ocorra de maneira efetiva, é preciso que fique muito claro para todos até onde vão suas responsabilidades. As tarefas a serem realizadas também.

É importante que haja um registro formal dessa divisão de tarefas, para que não haja problemas futuros. Para isso, a metodologia de Objectives and Key Results (OKRs) pode ser uma aliada.

Passo 5: Escolha das ferramentas

Depois de dividir as tarefas, é necessário que RH e gestores de área definam juntos as ferramentas a serem utilizadas na gestão compartilhada. Desta forma as atividades são realizadas da forma mais simples e eficiente possível. Ferramentas de gestão como as da Ahgora devem ser estudadas e selecionadas de acordo com praticidade.

Passo 6: Implementação e acompanhamento

Depois de selecionadas as ferramentas e distribuídas as tarefas, é necessário colocar o plano em prática! Os primeiros meses são cruciais para uma mudança cultural. Por isso, o RH devem estar muito próximo.

Dê suporte, auxílio e orientação aos gestores de área, que estarão se adaptando à nova rotina. É possível que ajustes sejam necessários e que o plano sofra pequenas alterações, baseadas nas dificuldades encontradas.

Este passo a passo não é uma receita de bolo. Você pode (e deve) adaptá-lo à sua realidade! Além disso, buscamos apenas apontar alguns marcos importantes de serem acompanhados.

Implementação da gestão compartilhada Eficiência Operacional
Implementação da gestão compartilhada Eficiência Operacional

Conclusão

Gerir pessoas vai muito além de administrar contratações, desligamentos, pagamentos, férias. O RH é estratégico! Cabe a ele atrair talentos alinhados com a cultura da organização e facilitar o seu desenvolvimento saudável e eficiente.

Mais: apoiá-los a concretizar os valores e os objetivos estratégicos a empresa. Para isso, nada melhor do que descentralizar a gestão de pessoas. A gestão compartilhada com gestores de área como corresponsáveis nesse processo é fundamental.

Quer sentir os principais benefícios da gestão de pessoas descentralizada, e na sua empresa? Contate-nos! Teremos prazer em mostrar de aplicá-la em sua organização.

Compartilhe