Turnover significa a taxa de rotatividade de colaboradores em uma empresa, ou seja, o número de novos colaboradores comparado àqueles profissionais que deixam aquele ambiente de trabalho. É verdade que o turnover pode sinalizar que a gestão de pessoas não vai bem e há perda de talentos importantes. Mas, também pode indicar que a empresa está crescendo. Descubra se é o caso da sua empresa neste post.

Se preferir, você também pode ouvir este conteúdo. É só clicar no player.

 

O que é turnover?

Turnover é o termo em inglês para “rotatividade”. Se você trabalha com RH, provavelmente já ouviu falar nesse índice antes. Em resumo, trata-se da relação entre o número de contratações e desligamentos em relação ao número total de colaboradores.

O termo parece simples, mas uma análise aprofundada mostra que o entra-e-sai de profissionaiss pode ter consequências bem complexas para o negócio. Por isso, não basta apenas olhar para o número: é preciso contextualizá-lo com as decisões tomadas pela empresa em um determinado período de tempo. Continue a leitura para entender melhor. 😉

Rotatividade: é bom ou ruim?

O desligamento de um colaborador é sempre um custo. Não estamos falando apenas de verbas rescisórias, horas e férias a pagar… cada contratado necessita de tempo para se desenvolver dentro da organização antes de conquistar um bom desempenho. Assim, quando o profissional deixa a empresa muito cedo, esse investimento é perdido.

Além disso, o índice de turnover pode gerar uma avaliação equivocada se não for acompanhado de uma análise qualitativa. Empresas em processo de expansão tendem a ver esse número subir pelo fato de estarem conquistando colaboradores mais experientes para atuarem no lugar dos iniciantes.

Tipos de turnover

A seguir, vamos falar sobre os tipos de turnover. Assim, você vai conseguir se preparar melhor diante de pedidos de demissão.

Turnover voluntário

O próprio colaborador pede o desligamento da empresa. Essa situação costuma acontecer por diversos motivos, como insatisfação com a posição ocupada no ambiente de trabalho ou remuneração. É mais frequente entre profissionais com ensino superior ou executivos que estão em busca de novos desafios, por exemplo.

Turnover involuntário

Aqui, o que vale é o contrário – a empresa é que desliga o colaborador. Dentre os motivos estão o baixo desempenho do profissional, problemas financeiros da empresa, dificuldade de relacionamento com a equipe e descumprimento de contrato de trabalho.

Turnover funcional

É considerado benéfico para a empresa. Esse tipo de turnover acontece quando alguém que já está com baixo rendimento pede para sair do trabalho por conta própria. Além de a empresa poupar os custos da demissão, abre-se uma oportunidade para um profissional mais apto para a vaga.

Turnover disfuncional

Trata-se da perda de um colaborador de alto desempenho. Isso acontece quando a empresa é incapaz de reter um grande talento, o que pode causar um grande impacto para construção do capital humano do negócio. Com isso, pode haver perda de produtividade ou uma baixa na qualidade de entrega da empresa, atingindo também os clientes.

Como calcular o índice de rotatividade?

Em resumo, o índice de rotatividade é o indicador de RH usado para avaliar a relação entre o número de contratações e rescisões em um determinado período. É utilizado na área de recursos humanos para compreender como esses desligamentos de colaboradores podem prejudicar o funcionamento da empresa.

Calcular o índice de rotatividade é simples. Basta dividir o número de total de colaboradores desligados pelo número total de colaboradores da empresa. A fórmula para o cálculo de turnover é:

Se você quer acompanhar a rotatividade de colaboradores de maneira fácil, baixe a Planilha de Indicadores de RH. Neste material, você tem acesso a este e outros KPIs importantes para a efetiva gestão de pessoas. Também é importante investir em softwares especializados que permitem o acompanhamento dos dados em tempo real.

Turnover ideal x aceitável

O RH de cada empresa deve estabelecer o que considera como turnover aceitável. Sem dúvida, é normal que mercados diferentes tenham taxas distintas – os mercados de saúde e tecnologia, por exemplo, são mais disputados, o que leva a um índice de rotatividade maior.

Também é importante estabelecer o índice de turnover ideal. Sobre o assunto, estimativas mais conservadoras consideram o índice de 1% ao mês aceitável. Contudo, mais importante do que o percentual em si é imprescindível avaliar o que pode estar causando o turnover.

Um alto índice de rotatividade significa que mais colaboradores estão querendo sair da empresa do que permanecer trabalhando neste ambiente, o que é um sinal de alerta e merece atenção. É um indicativo de que o negócio está passando por problemas.

Veja neste vídeo da Xerpa como avaliar o turnover:

Como evitar os prejuízos da rotatividade?

Um alto índice de turnover significa que a empresa está passando por problemas na retenção de talentos, o que é um grande desafio. Se essa for a realidade da sua empresa, é preciso agir rápido para que essa taxa continue em ascensão.

Para contratar bons profissionais, estratégias como o employer branding, que significa criar, comunicar e cultivar a imagem de um bom local de trabalho, estão em alta. Mas, lembre-se: investir em novos talentos é bem importante, mas sem deixar de lado quem já faz parte da equipe. Essa é uma forma de manter o time motivado.

Diminuindo o turnover

Muitos motivos podem levar ao aumento da rotatividade, como remuneração baixa e falta de reconhecimento, desmotivação, preocupação com o futuro da empresa e baixo equilíbrio entre trabalho e vida pessoal.

Para evitar esse cenário, entra em cena o employee experience, que deve ser realizado como um trabalho conjunto do RH e das lideranças. Proporcionar as melhores experiências para o colaborador dentro da empresa é fundamental para manter a equipe estimulada e em sintonia com o que o negócio espera do time.

Além disso, outras iniciativas podem auxiliar no combate à rotatividade dos colaboradores:

  • A revisão do processo de recrutamento e seleção e o contrato de trabalho é essencial.
  • Manter plano de carreira e a política de cargos e salários é importante para reduzir o turnover voluntário.
  • Programas de resolução de conflitos e humanização, principalmente entre líderes e colaboradores podem ajudar.
  • Promover um ambiente de trabalho agradável e um bom clima organizacional, além de feedbacks frequentes com diálogo aberto entre líderes e equipes.
  • É pertinente detalhar as entrevistas de desligamento para esclarecer efetivamente quais os pontos que ocasionam perdas de profissionais.

Ferramentas que ajudam a medir o turnover

Muitas ferramentas auxiliam as empresas a analisar rapidamente as taxas de turnover. O próprio sistema de gestão de ponto eletrônico traz os números de rotatividade de forma fácil, ágil e em tempo real.

Com o auxílio da tecnologia, fica bem mais fácil para o RH acompanhar dados para tomadas de decisão mais assertivas, como realizar ações preventivas ou corretivas para melhorar o cenário da empresa.

Políticas claras de remuneração, valorização e engajamento são fundamentais, mas proporcionar um local de trabalho com propósito claro e que traga benefícios para a qualidade de vida do colaborador é o mais importante.

Para finalizar, nós separamos alguns conteúdos que podem ajudar você a melhorar o ambiente de trabalho e engajar os seus colaboradores, sem se preocupar com o turnover:

E você, tem alguma dica para lidar com a rotatividade de colaboradores? Deixe sua mensagem nos comentários e até a próxima!

Compartilhe