O RH passa por um momento de transformação em que novas técnicas e tecnologias revolucionam a forma de gerir e criar valor no setor. Em tempos de big data, uma das ferramentas com capacidade de levar o RH a outro patamar é a gestão data-driven. Em tradução livre, significa um sistema de administração movido a dados. 

Se preferir, você também pode ouvir o post. É só clicar no player.

Ou seja: constitui um formato em que a base de dados é um suporte constante para a tomada de decisões. Mas mais do que isso, é um modelo que tem na objetividade das evidências o norte gerencial. 

Você lerá sobre:

  • Gestão data-driven e suas vantagens para o RH;
  • A implementação do RH movido a dados;
  • O RH do futuro.

Gestão data-driven e seus benefícios para o RH 

Essa forma de gestão guiada por dados pode ser aplicada em qualquer área na empresa e também no negócio como um todo. Com o RH não é diferente – e os benefícios de implementar métricas de gestão de pessoas são inúmeros. Confira os principais: 

Aumenta as chances de acerto

Gestão data driven no RH como orientar Aumenta as chances de acerto

Dados consolidados podem ser o melhor ponto de partida para entender situações das mais diversas naturezas. Fica muito mais fácil determinar objetivos e resultados-chave para o setor quando se tem a clareza oferecida pela análise de indicativos.

Um modo para “prever” o futuro

Gestão data driven no RH como orientar Um modo para “prever” o futuro

As informações oferecidas por situações passadas podem ser a melhor fonte para determinar quais fatos têm mais probabilidade de acontecer a seguir. 

Isso faz com que o RH consiga se preparar e antecipar possíveis problemas e desafios relacionados ao comportamento dos colabores, além de se preparar para as novas exigências do mercado. Assim, a área ganha corpo e a capacidade de contribuir mais ativamente para o alcance de cada objetivo traçado pela companhia. 

Diminui a subjetividade do setor

Gestão data driven no RH como orientar Diminui a subjetividade do setor

O RH é historicamente gerido de forma subjetiva, o que é natural devido a todos os aspectos humanos envolvidos. A evolução das técnicas de gestão, porém, oferecem a oportunidade de diminuir o grau de subjetividade – amparando-o com dados e métricas e, logo, tornando as decisões mais eficientes e assertivas.


RH movido a dados: implementação do conceito

Já vimos como a gestão data-driven pode potencializar os resultados do RH. O próximo passo é aprender alguns termos importantes:

  • Objectives and Key Results: o RH pode estabelecer a metodologia OKR. O termo denomina uma metodologia de gestão popularizada por Andy Grove em 1983.
  • Métricas: é um conjunto de informações mensuráveis pré-estabelecidas para medição de desempenho.
  • Key Performance Indicators (KPIs): os principais indicadores do RH são: Índice de Rotatividade, Índice de Retenção de Talentos, Tempo médio na Empresa, Índice de Faltas, Produtividade e Retorno Sobre Investimento (ROI).
  • Return Over Investment: o ROI do RH é calculado de forma simples. Basta subtrair o investimento feito pelo lucro obtido. Depois, divida o resultado da operação pelo valor investido. O passo seguinte é multiplicar  x100 para saber o percentual do ROI.

Mas como colocar em prática os conceitos? Veremos abaixo algumas dicas e passos importantes para implementar na sua gestão de pessoas.

Prepare-se para resistência

Antes de entrarmos nas especificidades da implantação da gestão data-driven, é importante refletir sobre a tendência natural enfrentada quando passamos por uma mudança de paradigmas. 

Certamente, no local de trabalho haverá algum nível de resistência interna na equipe e é bom estar preparado para ultrapassá-la com tranquilidade e firmeza – mantendo o clima organizacional equilibrado e positivo!

Conheça os objetivos do setor 

É primordial que os gestores do RH tenham plena consciência dos objetivos do setor e os globais – a curto, médio e longo prazo. Somente assim a gestão data-driven poderá ser utilizada para beneficiar a forma como a área é administrada.

Para isso, faça um diagnóstico interno, analisando cada função do RH para determinado período, quais as principais forças e fraquezas, e estabeleça quais as prioridades a serem resolvidas.

Construa seu banco de dados

Com certeza sua empresa produz uma quantidade enorme de dados, muitos em tempo real. O problema, na maioria dos casos, é que essas informações são subaproveitadas ou nem mesmo compiladas. 

É muito comum setores ou funcionários abastecerem planilhas que acabam sendo de uso e conhecimento exclusivo. Então, buscar uma forma de coletar, unificar e estruturar as informações para a construção de um banco de dados que alimente diferentes áreas é algo certeiro. 

Embora esse seja um projeto que transcende o RH, seu papel pode ser fundamental! 

Cuidado com o excesso de informações

Agora que você já tem seu banco de dados consolidado, é preciso cuidado. Será surpreendente a quantidade de informações que seu negócio pode gerar, além de todos os dados relevantes coletados externamente. 

Você irá se deparar com o termo big data, que denomina como a quantidade de dados gerados tem crescido de forma exponencial e crescente. É preciso escolher corretamente quais dados servirão de base para sua tomada de decisão. O primeiro passo é ser seletivo, levando em consideração quais são as informações mais relevantes e ricas para seus objetivos específicos. 

Não esqueça que setores diferentes talvez necessitem de recortes diversos do mesmo banco de dados. O RH certamente precisa utilizar indicadores de recrutamento e seleção, marketing e vendas talvez se interessem mais pelo faturamento.  

Com os dados de maior relevância devidamente escolhidos, é hora de estabelecer parâmetros e indicativos. São eles quem vão medir os níveis de desempenho de seus processos produtivos e as curvas de tendências para auxiliá-lo a tomar as decisões mais assertivas.


Tenha capital humano preparado para trabalhar com data-driven

De nada adianta ver claramente os objetivos e ter grande quantidade de dados à disposição se sua equipe não está pronta para analisá-los. 

Em setores com gestão data-driven, é necessário ter um time preparado – com habilidades complementares e capacidade de estabelecer as devidas conexões dos números com os aspectos humanos. Dessa forma, é imprescindível montar a equipe com os talentos necessários ou buscar qualificação para o capital humano, de forma que possam realizar suas demandas sob um novo paradigma.

Com indicadores bem definidos, é o momento de levantar os dados para poder analisá-los. Uma dica aqui é criar um sistema de periodicidade e separar o tempo em sua agenda para consolidar as informações e aplicar a análise crítica necessária.

Faça dos dados o seu mais importante conselheiro

Por fim – com os dados estruturados, os parâmetros e indicadores estabelecidos e a equipe preparada – é o momento da análise

O mais importante é identificar problemas, pontos fortes e oportunidades e utilizar a gestão data-driven para determinar quais os fatores de causa e efeito relacionados a eles. Com essas conclusões, torna-se possível visualizar quais caminhos merecem mais investimento para a realização das metas.   


O RH do futuro

Como observamos, a gestão data-driven aplicada ao RH traz uma série de benefícios e torna possível identificar aspectos a serem atualizados – estando sempre um passo à frente e garantindo maior eficiência ao setor.Outras soluções inovadoras podem complementar essa capacidade. É o caso do sistema de ponto eletrônico em tempo real. Ele pode ser a ferramenta que falta para o seu RH estimular atitudes inovadoras e impressionar o C-level. Clique e saiba mais!

Compartilhe